COVID-19: Biomarcadores na gestão do doente crítico

monitorização bioquímica de doentes COVID é crítica na avaliação da gravidade e progressão da doença e na monitorização da intervenção terapêutica. Vários parâmetros analíticos dos painéis tradicionais (Linfócitos, Prot C-reactiva, Ferritina, D-Dimeros, LDH, ...) têm sido associados a desfechos desfavoráveis, com potencial de fornecerem informação prognóstica relevante.

Adicionalmente a estes parâmetros mais comuns, o doseamento de citocinas séricas assume também um papel relevante nestes doentes considerando que, nos casos mais graves poderá haver evolução para um quadro hiper inflamatório com síndrome de libertação de citocinas. A evidência sugere que, o doseamento particularmente da IL-6 pode ser útil na avaliação destas situações e, possivelmente, até mesmo na decisão de instituição terapêutica.

Assista aqui ao webinar onde tivemos a oportunidade de debater este tema com o Intensivista Dr. João João Mendes - Serviço de Cuidados Intensivos do Hospital Fernando da Fonseca-, com a moderação do Dr. Carlos Flores - Patologia Clínica do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central-, e do Dr. Nelson Lopes – Medical Manager Roche.